terça-feira, 23 de dezembro de 2008

É certo dar caixinha de Natal?

Mais um Natal que chega e me deparo com a polêmica das caixinhas de Natal.

Acredito que isto acontece com a maioria das pessoas. Nesta época de Natal é um festival de toque de campainhas de vários profissionais pedindo caixinha de Natal. É lixeiro, gari, entregador de gás, carteiro, leitor de relógio de luz, de água, vigia noturna, e mais alguns.

Sinto-me indignado de ver esses profissionais com essas atitudes. Eles são profissionais registrados que recebem seus salários mensais e, provavelmente, ganham o décimo terceiro no final de ano assim como qualquer assalariado.

Então por que se submeter a isso? Por que essas pessoas querem convencer a todos que seus empregos são mais importantes? O que os fazem tão diferentes dos outros profissionais?

Toda vez que uma dessas pessoas aparecem pedindo caixinha, eu digo: "Convença-me a dar caixinha. Diga um motivo para que eu dê dinheiro a você". E tem que ser dinheiro sim, pois já foi a época que elas se contentavam com um panetone.

Sabem qual é o resultado? Nenhuma dessas pessoas me convencem! Elas usam frases prontas como: "Ah Senhor, imagine se o lixo acumulasse na porta de sua casa!"; "Ah Senhor, imagine se as correspondências deixassem de ser entregues!". E a resposta que eu dou é sempre a mesma, universal, serve para qualquer uma dessas pessoas: "Ah meu senhor, se isso acontecesse, o senhor perderia o seu emprego."

Francamente! Imagine se o operário da fábrica de vassouras se sentisse no direito de pedir caixinha de Natal aos garis. "Ah Seu gari, imagine se eu parasse de fabricar vassouras, o que seria do senhor?". E o operário da fábrica de selos, e os que produzem gás, e os que produzem energia, os que cuidam da água nas estações de tratamento?

Precisamos parar de ser hipócritas demonstrando pena desses profissionais! Precisamos mudar isto!

Postar um comentário